O que é DEL? Distúrbio Específico de Linguagem

O que é Distúrbio Específico de Linguagem – DEL?

O DEL é caracterizado por dificuldade na aquisição e no uso da linguagem. A criança tem dificuldade em compreender ou produzir palavras e frases durante uma conversa. Costuma afetar o vocabulário e a gramática. É descrito como Transtorno de Linguagem Infantil no DSM-5.

Uma criança com DEL pode apresentar alterações em habilidades de linguagem oral, receptiva, expressiva ou ambas. A habilidade receptiva é a capacidade de receber e compreender o que outro está falando. A habilidade expressiva é a capacidade de produzir a fala de forma a ser compreendida verbalmente por outro indivíduo, neste caso pode apresentar também a dispraxia oral, que é a dificuldade de programar e executar o som da fala.

Essas alterações Interferem de forma significativa no sucesso acadêmico, no desempenho profissional, na comunicação eficaz ou na socialização.

Quando desconfiar de DEL?

Os pais ou familiares próximos são, geralmente, os primeiros a perceber que a criança tem dificuldade na linguagem oral.

O DEL é um problema comum na infância e afeta mais meninos que meninas.

As crianças podem mostrar pouca ou nenhuma vocalização, ausência de balbucios ao redor de 6 meses, demora na aquisição das primeiras palavras (depois de 2 anos) e os e dificuldade em falar pequenas frases (até os três anos), podem ter vocabulário restrito, apresentando dificuldade em aquisição de palavras novas, formando frases curtas e menos complexas, para sua idade.

Também podem apresentar dificuldade em nomear objetos, animais, etc. Essas crianças podem mostrar ansiedade ao se comunicar devido à dificuldade em recordar palavras já conhecidas, em nomeação e em se fazer entender verbalmente por seus pares. Crianças maiores podem mostrar dificuldade em memorizar números de telefones, datas de eventos importantes, como seu dia de aniversário, sequencias sonoras novas e dificuldade de contar uma história coerente.

Como é feito o diagnóstico de DEL?

O diagnóstico de DEL envolve uma avaliação clínica minuciosa.

Através da avaliação clínica foniátrica, o médico otorrinolaringologista com formação em foniatria, especialista em distúrbios da linguagem, fala e do aprendizado, pode contribuir de forma efetiva para este diagnóstico.

Durante a avaliação é feita uma anamnese semi-dirigida com o indivíduo e familiares, avaliação de habilidades fundamentais para a adequada aquisição de linguagem, respeitando a fase neuromaturacional em que a criança se encontra, observação clínica de vários contextos (por exemplo relatórios escolares, terapias e situações de lazer), solicitações de exames específicos e testes padronizados de capacidade linguística e da função práxica oral, verificação da necessidade de outras avaliações especificas como genética, neuropsicológica, de processamento auditivo, etc.

A história familiar de algum problema relacionado a linguagem, fala e aprendizado é frequente, ou seja, os transtornos de linguagem são herdados, mas os membros das famílias podem ter graus de manifestação diferentes.

Quando tratar o DEL?

O tratamento deve ser iniciado assim que o definido o diagnóstico. O início da intervenção terapêutica adequada antes dos 3 anos de idade tem se mostrado eficaz, melhorando de forma satisfatória a aquisição de linguagem nestes pacientes. Contribuindo inclusive com o sucesso no aprendizado escolar.

Quais são os fatores de pior resposta ao tratamento?

Crianças com prejuízo na linguagem receptiva tem pior prognóstico que aquelas em que se predominam dificuldades em linguagem expressiva. São mais resistentes ao tratamento e dificuldades de compreensão de leitura são frequentemente observadas.

Quais são os diagnósticos diferencias?

Outros distúrbios podem alterar o desenvolvimento da linguagem, como:

  • Deficiência auditiva (principal causa de dificuldades linguísticas)
  • Deficiência sensorial ou motora da fala.
  • Deficiência intelectual
  • Doenças neurológicas, como: afasias adquiridas,

Pode estar associado a outros problemas?

Pode ocorrer associação de DEL e outros transtornos do neurodesenvolvimento como:

  • Transtorno específico aprendizagem (leitura, escrita e aritmética). 85% das crianças com dislexia tiveram ou têm comprometimento na linguagem oral.
  • Transtorno de déficit de atenção/hiperatividade (TDAH)
  • Transtorno do espectro autista (TEA)
  • Transtorno do desenvolvimento da coordenação.
  • Transtorno social (pragmático).

Referência Bibliográfica:

DSM 5 (Manual de Diagnóstico e Estatístico de doenças Mentais).

Laurence B Leonard – Children with Specific Language Impairment

Dra. Mônica Elisabeth Simons Guerra e Dra. Vanessa Magosso Franchi (médicas responsáveis pela avaliação foniátrica)