Resfriado, gripe, rinite ou sinusite?

ed8b40_8317726978964a939338e90edf2e8cec

Nesta época do ano, entre o outono e o inverno, é muito comum sofrermos com problemas nas vias respiratórias. Quando o nariz começa a escorrer e a entupir, e a garganta começa a incomodar, vem a pergunta: é resfriado? Gripe? Ou rinite?? E aquela dorzinha de cabeça: é a sinusite??

      O resfriado  é causado por inúmeros tipos de vírus (as famosas viroses!), tendo como sintomas principais: obstrução e secreção nasal, irritação na garganta, dores musculares, mal-estar e febre baixa. A gripe é causada por uma vírus específico, o Influenza, e os sintomas são mais intensos, de duração mais prolongada e com febre mais alta.

      A rinite é caracterizada pela inflamação do revestimento interno do nariz, a mucosa nasal. Pode ter inúmeras causas, sendo a principal, a alergia. Nariz entupido, coriza, espirros e/ou coceira (pode ser apenas um desses sintomas) são as principais manifestações. Nas crises de rinite alérgica, os sintomas costumam ser limitados ao nariz, ouvido e garganta, sem febre ou mal estar.

      As sinusites (ou rinossinusites) ocorrem quando a inflamação da mucosa nasal se extende para a mucosa dos seios da face, apresentando, além dos sintomas nasais, secreção espessa, tosse, e dores na face em sua fase aguda. As causas mais comuns são a alergia e as infecções virais ou bacterianas.  A grande maioria das sinusites agudas curam após tratamento adequado. É importante ressaltar que nem toda dor de cabeça na fronte é uma sinusite! Muitas pessoas, acreditando na cultura popular e por não terem a orientação adequada, acreditam ser `portadoras` de sinusite. Assim, a orientação médica é importante para diagnóstico e tratamento corretos.

     O tratamento dos resfriados e gripes é basicamente sintomático, com analgésicos e antitérmicos. São infecções auto-limitadas, ou seja, o próprio organismo combate o vírus e cura a doença. Esteja atento quando a febre permanece por mais de 48-72 horas, se há falta de ar do peito, tosse expectorante, ou outros sintomas muito intensos. Nesses casos, o ideal é procurar o médico para avaliar alguma possibilidade de complicação. Os antibióticos estão indicados somente quando há indícios de infecção bacteriana concomitante, diagnóstico que pode ser feito apenas por um médico.

     A rinite alérgica deve ser acompanhada a longo prazo por um médico otorrinolaringologista, que avaliará a medicação adequada para cada caso. As medidas de controle ambiental são essenciais: evitar contato com agentes alérgicos como poeira, ácaros, fumaça de cigarro e poluição.

    Em todos os casos, a lavagem nasal com soro fisiológico sempre é indicada, pois ajuda na eliminação de secreções não saudáveis, e também na eliminação das partículas de sujeira (poeira, ácaros, poluição) que perpetuam o processo inflamatório nasal.

     E como não pegar resfriados ou gripes? Não há uma fórmula definitiva! É comum que os adultos tenham, em média, de dois a quatro resfriados por ano, e crianças, de seis a oito. Algumas medidas que podem ajudar:

– evite aglomerações em ambientes fechados: os vírus circulam mais facilmente nesses locais;

– se o tempo estiver seco, coloque uma bacia de água ou uma toalha úmida no quarto. Os umidificadores devem ser utilizados com parcimônia, para não umidificar demais o ambiente e propiciar o aparecimento de fungos;

– se você é alérgico, o seu controle é fundamental, já que as crises de alergia podem facilitar os resfriados e as gripes;

– e o mais importante: mantenha-se saudável, hidratando-se e alimentando-se bem, cultivando um sono reparador, e agasalhando-se adequadamente.

 Um bom inverno!

Ema Yonehara Fukunari